Top Ad unit 728 × 90

Crônicas

Crônicas
teste

A Menina dos grampos dourados


Não sei precisar nem quando, nem de que direção.
Suave como uma brisa azul, despertou meus sentidos,
Aguçou meus instintos, clamou por meus afagos.
Doces palavras colhidas pelo mar,
Me guiavam pela insensatez do seu querer.

Não sei bem como descrever, nem contar.
Talvez na intensidade de um olhar, me encontrei perdido,
Desnorteado na escuridão, hipnotizado por um sorriso.
Me embriaguei em suas incertezas,
Adormeci em seus cachos, acordei entre suas pernas.

Não sei como controlar o que não tem forma.
Não sei como controlar o que me dimensiona.
Não sei como controlar o que nos emociona.
Não sei como controlar o que te transforma.

Não sei por onde entender, nem tão pouco compreender,
Como suave brisa pode devastar, desejos não realizados,
Promessas confessadas e os sonhos anunciados.
Talvez a distância do que nunca fomos, nos faça encontrar,
A segurança e o caminho do que um dia poderemos ser.

Não sei ao certo o seu nome, nem do que é feita.
Ao despertar, encontrei o sentimento de amar,
Amarrado ao desejo de estar, mas sem poder acreditar.
Pois tudo o que me restou alem dos lençóis amassados,
Foram alguns grampos dourados.


Leia mais sobre "Falando de Amor..."
A Menina dos grampos dourados Reviewed by Ricardo Leão on 2:00 AM Rating: 5

2 comentários:

  1. Ric,
    Há muito vc já me esqueceu...embora por vezes ainda me procure...me esqueceu na escuridão das suas noites...e na lucidez dos seus dias...Mas eu nunca o esqueci e caminho em cada um dos seus passos e como em sua poesia acompanho seus ventos, brisas e tempestades...C.

    ResponderExcluir

All Rights Reserved by Blog do Buraco © 2014 - 2015
Powered By Blogger, Designed by Sweetheme

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.